sábado, 8 de janeiro de 2011

BREVE RELATO SOBRE A CIÊNCIA E A CURIOSIDADE DAS CRIANÇAS

O relato a seguir é do físico Sergio Mascarenhas, membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e atual coordenador do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da Universidade de São Paulo (USP) de São Carlos. Entusiasmado, o pesquisador conta como pequenas iniciativas voluntárias e localizadas podem se transformar em significativos e mais amplos projetos de alfabetização científica. Em tempo - o texto foi gentilmente enviado ao blog pela jornalista Mariluce Moura, diretora de redação da revista "Pesquisa Fapesp".
--------------------------

Caros amigas e amigos, tenho um caso espetacular para relatar e que tem grande importância para a formação de uma cultura científica auto-confiante! Um exemplo de que existem brasileiros desconhecidos, enormes talentos na educação, mesmo em pequenas escolas municipais, de municípios do interior e da periferia. Conto a história METAFORICAMENTE, como se fossem os trabalhos de Hércules, em etapas.



TRABALHO 1 - O professor Candido de Souza, da 5a série de uma escola pública municipal de periferia de Ubatuba, leu na revista Superinteressante sobre o lançamento de um satélite privado nos Estados Unidos, pela Mohave Corp. Sugeriu aos alunos (faixa etária de 11 anos) das suas turmas de matemática (cerca de 120 estudantes) embarcarem na aventura de lançar um satélite, com missão a ser definida. Toparam com entusiasmo. ETAPA 1 VENCIDA!

TRABALHO 2 - Professor Candido começou a preocupar-se com os oito mil dólares para a compra do satélite. Buscou empresas, amigos e lutou. Afinal... ETAPA 2 VENCIDA!

TRABALHO 3 - Para enviar o dinheiro, precisava de autorização do Banco Central, que informou que somente uma fundação sem fins lucrativos poderia enviar o dinheiro. Mobilizou a comunidade e transformou então a APM (Associação de Pais e Mestres) da pequena escola em uma fundação. ETAPA 3 VENCIDA!

TRABALHO 4- Para efetivar o registro da Fundação, havia necessidade de uma autorização da Prefeitura. O professor Candido foi ao prefeito de Ubatuba, conversou com políticos locais e conseguiu o registro oficial. ETAPA 4 VENCIDA!

TRABALHO 5 - Para receber o equipamento em Ubatuba, precisava de licença do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) do MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia), em São José dos Campos. O professor Candido foi ao INPE e contatou o Diretor Cantídio, que se entusiasmou com o projeto, assim como Gilberto Camara, Diretor Presidente do INPE. ETAPA 5 VENCIDA!

TRABALHO 6 - A empresa USA MOHAVE informou que, devido à distância, não poderia ajudar no projeto de Candido nem na tarefa de auxiliar os alunos a aprenderem a "encher" a barriga do satélite, isto é, desenvolverem o hardware, o softrware, soldar, corroer as placas etc. Então o professor Candido encontrou na rede uma empresa, a GLOBALCODE (vejam www.globalcode.com.br), onde procurou os diretores Vinicius e Yara Senger que, quando souberam do projeto, se dispuseram a ajudar na parte de treinamento dos estudantes, tanto em hardware como em software. Por uma incrível coincidência, Yara e Vinicius MORAM EM UBATUBA, de onde dirigem a GlobalCode, conectada em rede a vários pontos do Brasil com Escolas de Java, robótica, desenvolvimento de software. Por acaso, são meus netos e pais de meus dois bisnetos, Rafael e Maria, que estudam em Ubatuba! Por isso fiquei sabendo de tudo isso e fiz questão de conhecer pessoalmente o professor Candido, que me impressionou profundamente por sua modéstia e amor pelo ensino da Ciência e sobretudo por SEU AMOR E LIGAÇÃO COM SEUS ALUNOS! Como ex-aluno que fui de Anísio Teixeira, amigo de José Reis, Crodowaldo Pavan, Isaías Raw, Enio Candotti, ícones da educação pela Ciência, e ainda mais tendo tido o privilegio de colaborar com o então Ministro Sérgio Rezende e com seu Secretário de Divulgação Científica, Ildeu Moreira, confesso que fiquei emocionado vendo transformado em realidade aquele sonho do professor Candido e dos seus 120 estudantes do fundamental. ETAPA 6 VENCIDA !

TRABALHO 7 - Quando soube de tudo, quis divulgar o "Projeto UBATUBAESPACIAL I", mas apareceu outro obstáculo: o INPE tinha que aguardar que a AGU (Advocacia-Geral da União) autorizasse a divulgação. Fiquei horrorizado, pois iria demorar (não sei se já saiu...). Mas encontrando Gilberto Camara na SBPC, no lançamento do livro "40 anos de Ciência e Tecnologia", do Ministro Sérgio Rezende, ele me autorizou a divulgar e contar essa maravilhosa história de 120 brasileirinhos e brasileirinhas e do professor deles, que mostram ao Brasil um exemplo de garra e auto-afirmação. ETAPA 7 VENCIDA!

Ainda faltam outras etapas e dificuldades a serem vencidas, como a viagem dos estudantes ao lançamento, divulgação adequada pela mídia E FINALMENTE O DESAFIO DE LEVAR OS ESTUDANTES À PRESIDENTA DILMA,  COMO EXEMPLO A SER SEGUIDO E ADMIRADO!

Peço o apoio de todos, pois é uma iniciativa que até no exterior está sendo considerada espetacular.

7 comentários:

  1. Historia incrivel, parabens a todos que participaram do projeto.Um verdadeiro exemplo de vida e amor a educacao.
    O professor Candido iria ficar mto feliz de saber que existem outras iniciativas como as dele, um exemplo e a opensat (http://opensat.cc/) que visa criar um satelite e lanca-lo atraves de componentes totalmente opensource.

    Abs e parabens por divulgar esse projeto incrivel.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pela garra!

    ResponderExcluir
  4. emocionante, mesmo!
    eu também tento levar os meus alunos um tipo de conhecimento que normalmente não se ensina em escola: a apropriação crítica da tecnologia.
    mas meus feitos são infinitamente mais modestos que o do professor Candido de Souza.
    emocionante!

    ResponderExcluir
  5. genial! o mais legal é o que isso pode provocar na cabeça das crianças. que vão passar a ver como o caminho da ciência pode ser interessante; quando a gente consegue manter a curiosidade da infância acesa, incorporar um método e investigar. ainda mais, no brasil, em geral se celebra "não pensar", jogar futebol, ser modelo e ser rico e famoso e não ter NADA na cabeça... achei genial e salutar essa historia e a iniciativa e a força de vontade do professor. cool! (desculpa a falta de alguns dos acentos agudos, por favor)

    ResponderExcluir
  6. Parabéns a todos e que esta iniciativa tenha o sucesso que merece.
    José ( @zeguru )
    conte conosco

    ResponderExcluir
  7. Sensacional!!!

    Qualquer outro comentário seria aquém do que um projeto como esse, e a obstinação desse mestre representam.

    ResponderExcluir