domingo, 16 de junho de 2013

CHEGOU O DIA. OCUPA, SÃO PAULO!

Não é raro receber como resposta algumas expressões desconfiadas e de estranhamento quando digo que estarei hoje no Quinto Ato pela Tarifa Zero, no Largo da Batata, 17h, em São Paulo. Fica um ponto de interrogação no rosto de alguns interlocutores. Já chegaram a me dizer, discretamente, que "deixe disso, você já passou dos 40, tem dois filhos, não é mais um adolescente rebelde sem causa. Não seja Peter Pan. O que vai fazer lá?". Pois é isso mesmo. Vou ao Ato porque tem jangada no mar, tem arrastão cívico, e não consigo ficar à toa na vida, em casa, no sofá, vendo a banda passar. Porque a hora é agora - e não vou esperar acontecer. Vem, vamos embora. São Paulo destravou. Está bonita, pulsante. Alguma coisa acontece no meu coração. A juventude, responsável por tantas e tamanhas mudanças históricas importantíssimas, achou por bem redescobrir, como se fora brincadeira de roda, que a política é sonho, é utopia, é esperança. É fazer do impossível o possível. Nesse novo tempo, apesar dos perigos, da força mais bruta, estão novamente nas ruas, quebrando as algemas. Querem ter voz ativa, nos seus destinos mandar. Estão nos convidando, generosamente, a todos nós. Por que não? Alegria, alegria! Vou ao Ato porque, talvez por um defeito de nascença, carrego no DNA a mesma esperança, o gene da indignação, o desejo incontido de transformação. Sou um sujeito político. Faz parte do meu show. Na praça estarei para ser coerente com minha condição de educador - e para fazer valer, no espaço público, aquilo que discuto com meus alunos em sala de aula. Vou lá ouvir e aprender. Além disso, lugar de jornalista é na rua, certo? Vem pra rua! É lá que a cidadania se inventa e se reinventa, criativamente, em alto e bom som. No Ato estarei porque tenho dois filhos - e, como diz o filósofo Mario Sergio Cortella, o mundo que queremos para os nossos pequenos depende fundamentalmente dos filhos que estamos criando para esse novo mundo. Lu, Dani, lá estarei também por vocês. Com vocês. Sempre. Somos tão jovens. Todos. E temos todo o tempo do mundo. Porque a juventude é também um estado de espírito, para além das idades registradas em certidões de nascimento. Os sonhos não envelhecem. Por isso, continuo tendo em mim todos os sonhos do mundo. Apesar dos 40. Amanhã há de ser outro dia.
Temos um compromisso. Espero vocês.     

11 comentários:

  1. Boa, Chico! Me orgulho em ser teu aluno e nos encontramos lá!

    ResponderExcluir
  2. Nossa velho, talvez qdo eu parar de chorar eu consiga comentar... Amanhã há de ser outro dia! Nos vemos lá!

    ResponderExcluir
  3. Poxa, mas amanhã tem N2! Como fazer? hahaha

    ResponderExcluir
  4. muito orgulho de ter sido sua aluna também! estarei lá!

    ResponderExcluir
  5. Meu professor, meu mestre. Tenho tanto orgulho de você.

    ResponderExcluir
  6. Chico Bicudo é exemplo a ser seguido. Um professor sensacional.

    ResponderExcluir
  7. Lindo texto! Valeu Professor você é um exemplo pra "galera".

    ResponderExcluir
  8. Orgulho de vc, de mim, do povo! Pela primeira vez na minha história, estou sentindo orgulho (de verdade) de ser brasileira! Não posso deixar meu filho em casa pra ir no ato, mas sei q estarei muito bem representada e de onde estiver, estarei ajudando como puder!

    ResponderExcluir
  9. Glória a todas as lutas inglórias que através da nossa história não esquecemos jamais! Salve salve Elis! Salve Brasil! Todos juntos a uma só voz... VEM PRA RUA!

    ResponderExcluir
  10. É de Arrepiar....... Mas quem é Chico Bicuco ?

    ResponderExcluir