sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

HOMENAGEM AO POVO REVOLUCIONÁRIO DO EGITO

São três poesias de Bertolt Brecht (1898-1956), dramaturgo e poeta alemão. Foi a maneira que encontrei para agradecer e homenagear os companheiros egípcios que tomaram as ruas e fizeram História.



OS QUE LUTAM
"Há aqueles que lutam um dia, e por isso são bons;
Há aqueles que lutam muitos dias, e por isso são muito bons;
Há aqueles que lutam anos, e são melhores ainda;
Porém há aqueles que lutam toda a vida. Esses são os imprescindíveis".



ELOGIO DO REVOLUCIONÁRIO
"Quando aumenta a repressão, muitos desanimam.
Mas a coragem dele aumenta.
Organiza sua luta pelo salário, pelo pão 
e pela conquista do poder.
Interroga a propriedade:
de onde vens?
Pergunta a cada ideia:
serves a quem?
Ali onde todos calam, ele fala
E onde reina a opressão e se acusa o destino,
ele cita nomes.
À mesa onde ele se senta,
se senta a insatisfação.
A comida estraga-se e a sala se torna estreita.

Para onde quer que o expulsem, para lá 
vai a revolta. E donde é escorraçado 
persiste a agitação".




NADA É IMPOSSÍVEL DE MUDAR
"Desconfiai do mais trivial,
na aparência, singelo.
E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
Suplicamos expressamente:
não aceites o que é de hábito como coisa natural,
pois o tempo de desordem sangrenta,
de confusão organizada, de arbitrariedade consciente,
de humanidade desumanizada,
nada deve parecer natural.
Nada deve parecer impossível de mudar".  

Nenhum comentário:

Postar um comentário